É de lei!

Cancelada reunião de comissão para votar parecer sobre desastre em Brumadinho

Isac Nóbrega/Presidência da República
Vista aérea de Brumadinho inundada pela lama de rejeitos

Foi cancelada a reunião da comissão externa da Câmara dos Deputados que fiscaliza os rompimentos de barragens marcada para quarta-feira (10) para votar o relatório do deputado Pedro Aihara (PRD-MG) sobre Brumadinho (MG).

Ainda não há nova data para a realização da reunião.

A comissão
O colegiado acompanha os desdobramentos dos crimes socioambientais ocorridos nas cidades mineiras de Mariana (2015) e Brumadinho (2019), após o rompimento de barragens de rejeitos de minério de ferro. Os desastres deixaram quase 300 mortos e causaram sérios danos socioeconômicos em Minas Gerais e no Espírito Santo.

A comissão já aprovou os seguintes relatórios parciais:

sobre o rompimento da barragem em Mariana;
sobre barragens em situação de risco; e
sobre povos e comunidades tradicionais atingidos pelos desastres.

Relembre
No dia 25 de janeiro de 2019, uma barragem de rejeitos de mineração da Vale S.A. se rompeu, causando uma tragédia ambiental e humanitária. “O que deveria ser um dia comum se converteu em um pesadelo sem precedentes, resultando na perda de 272 preciosas vidas humanas e na profanação de milhões de metros cúbicos de rejeitos tóxicos, os quais foram impiedosamente despejados na bacia do rio Paraopeba”, acrescenta o relator.

Segundo o parlamentar, as investigações da Polícia Federal, do Ministério Público de Minas Gerais e das duas comissões parlamentares de inquéritos (CPIs), realizadas pela Assembleia Legislativa mineira e pela Câmara dos Deputados, foram fundamentais para destrinchar as causas do rompimento da barragem.

“Concluiu-se que a realização de perfurações verticais foi o gatilho para a liquefação que provocou o rompimento da estrutura, que já estava frágil”, afirma o deputado em seu parecer.

Recomendações
Pedro Aiaha afirma que cinco anos se passaram e ainda há muito a ser feito. “Longe de encontrar alívio, as comunidades atingidas estão à mercê da impunidade e da falta de ações reparadoras efetivas.” Diante disso, o deputado recomenda, entre outros pontos:

mais transparência à administração dos recursos repassados pela Vale para recuperar a região e atender a população; e
fortalecimento das unidades do Sistema Único de Saúde para acompanhar os moradores, quanto a doenças relacionadas à exposição a metais pesados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo