Geral

Sleeping Giants evita investimentos de R$ 203 milhões em fake news

O programa DR com Demori recebeu nesta semana o ativista Leonardo Leal, cofundador da organização Sleeping Giants Brasil (SGBR), que completa quatro anos de atuação no país com foco na desmonetização de conteúdos falsos e discursos de ódio através da mobilização e do engajamento de seu público.

Leonardo revelou em primeira mão ao programa que um total de R$ 203,7 milhões deixou de ser investido em sites de desinformação por conta das campanhas lideradas pelo movimento. Comandado pelo jornalista Leandro Demori, o programa pode ser visto em reprise na TV no dia 14 de julho, às 22h30, e também pelo YouTube.

Notícias relacionadas:

Estudo mostra uso de inteligência artificial na detecção de fake news.Desde sua fundação, o SGBR lançou 92 campanhas que alertaram consumidores e anunciantes sobre a veiculação de publicidade em sites e perfis que disseminam fake news.

Ao longo deste período, o movimento enviou 1.646 alertas a empresas, das quais 1.170 responderam e se comprometeram a retirar seus anúncios desses portais, resultando em uma eficácia de 72%. Grandes empresas como Bradesco, Adidas, Ford, Fiat, Uber e Amazon estão entre as que aderiram à iniciativa.

O impacto da ONG não se restringe apenas ao Brasil. O movimento global foi indicado ao Nobel da Paz pelo político francês Eric Bothorel em fevereiro deste ano.

No Brasil, o movimento se destacou no combate às fake news durante as enchentes no Rio Grande do Sul em maio de 2024, pressão que colaborou para que fosse feito um acordo entre a Advocacia-Geral da União (AGU) e as plataformas digitais para impedir a disseminação de desinformação durante a crise.

Além disso, o perfil @desinfoclima foi criado no Instagram, focado em combater fake news sobre o clima e o meio ambiente.

Em abril deste ano, o SGBR lançou uma de suas maiores campanhas, a #DesmonetizaTwitter, em resposta aos acontecimentos envolvendo o X (antigo Twitter) e Elon Musk contra a Justiça brasileira. A campanha teve por objetivo pressionar empresas a retirar anúncios da plataforma e conscientizar sobre a importância da regulação das redes sociais. Como resultado, a Secretaria de Comunicação (Secom) da Presidência da República suspendeu novas campanhas na plataforma.

Mais que desmonetização

O Sleeping Giants Brasil também tem se dedicado à produção de artigos, pesquisas e análises sobre as falhas na publicidade digital, contribuindo para consultas públicas, como a do Ministério da Fazenda sobre a regulação econômica e concorrencial de plataformas digitais no Brasil.

A organização propõe caminhos para melhorar a transparência e evitar que empresas monetizem inadvertidamente perfis e sites desinformativos, defendendo a regulação das redes através do PL 2630, que Institui a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet.

Nas redes sociais, o SGBR conta com mais de 1 milhão de seguidores, mostrando seu alcance e influência na luta contra a desinformação.

O SGBR tem como alvo uma gama de extremistas. Recentemente, a organização também denunciou a polêmica envolvendo a CEO da Nubank, Cristina Junqueira, a produtora Brasil Paralelo e o Ranking dos Políticos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo